Conheça as novidades do 10º Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva da Infância e Adolescência

  • novembro/2021
  • 84 visualizações
  • Nenhum comentário

Como citar este artigo:

Correia, Nilton, & Neufeld, CB (2021, outubro). Conheça as novidades do 10º Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva da Infância e Adolescência. Blog do Secad.

 

Entre os dias 21 e 23 de outubro deste ano, ocorreu na modalidade online o 10º Congresso Brasileiro de Terapia Cognitiva da Infância e Adolescência (CONCRIART). O evento, apesar de já ser consolidado e fazer parte do calendário anual de atualização e qualificação de diversos terapeutas brasileiros, renovou-se e integrou abordagens das terapias contextuais e da terapia sistêmico-familiar em sua programação científica com a finalidade de ampliar o olhar acerca do desenvolvimento infanto-juvenil.

Por meio de diversas atividades, o CONCRIART teve como tema central o “Cuidado na saúde mental de crianças e adolescentes em período de vulnerabilidade social”, temática atual e relevante diante dos desafios impostos pelos efeitos ocasionados pela pandemia da COVID-19 na população jovem brasileira. Ademais, precederam ao congresso cursos de curta duração e o inédito Simpósio Parental. Confira um breve resumo sobre o que aconteceu!

Cursos pré-congresso

Nos dias 18, 19 e 20 de outubro, os congressistas tiveram a oportunidade de participar de seis cursos. No primeiro dia, a Profª. Me. Jackeline Gomes abordou a Terapia de Dessensibilização e Reprocessamento por Meio dos Movimentos Oculares (EMDR) com crianças. Segundo a ministrante do curso, a abordagem de tratamento revela ser útil por possibilitar a ocorrência do reprocessamento de lembranças dolorosas infantis ao dessensibilizar o sofrimento vinculado a quadros de Transtorno de Estresse Pós-traumático e outros transtornos mentais.

Na mesma data, a Profª. Esp. Elaine Chagas tratou sobre importantes estratégias (por exemplo, atividades com foco em psicoeducação, regulação emocional e manejo dos sintomas cognitivos) para o atendimento clínico de crianças e adolescentes. Entre os tópicos abordados, estavam intervenções que integravam o programa C.A.S.A, desenvolvido pela mencionada professora, que tem como público-alvo crianças com emocionalidade intensa, caracterizadas por alta sensibilidade emocional, comportamento impulsivo, prejuízos no desenvolvimento do self e no autodirecionamento, problemas nos processos empáticos e nas relações interpessoais.

No dia 19, aconteceu o curso da Terapia do Bem-Estar com a Profª. Esp. Miriam Rodrigues. A estratégia terapêutica de curto prazo tem como finalidade a melhoria do bem-estar dos jovens (Rodrigues, 2021). Enfatiza a auto-observação por meio de um diário estruturado que, juntamente da interação paciente-terapeuta, trabalha para que as atividades propostas funcionem como autoterapia, aumentando e fortalecendo a autonomia e o crescimento pessoal do paciente. A professora relatou como os terapeutas podem promover a identificação e o desenvolvimento de pensamentos e de ações que proporcionam o crescimento do bem-estar nas mais variadas esferas da vida, bem como aprender a educar o olhar para as emoções, principalmente as positivas, já que elas são um dos elementos centrais do bem-estar.

Ainda no dia 19, os congressistas tiveram a oportunidade de escutar a Profª. Cida Lopes abordar as questões que envolvem o desenvolvimento sexual infantil. Entre os conteúdos apresentados, estavam o modo como os cuidadores das crianças podem lidar com perguntas realizadas por estas acerca da sexualidade.

No último dia de cursos pré-congresso, o Prof. Dr. Rodrigo Giacobo Serra e o Prof. Esp. Marcelo Goldstein Spritzer apresentaram o Baralho de Treinamento de Pais, instrumento terapêutico lançado no ano passado e que visa a possibilitar que os cuidadores de crianças até os 12 anos de idade possam adquirir habilidades essenciais que contribuem para o melhor desenvolvimento infantil, reduzindo os comportamentos desadaptativos e os sintomas que podem existir na infância.

Por fim, merece destaque o último curso que, ocorreu também no dia 20, e que foi liderado pela Profª. Drª. Carmem Beatriz Neufeld e teve colaboração da Profª. Doutoranda Suzana Peron, da Profª. Mestranda Isabela Pizzarro Rebessi e da Profª. Doutoranda Isabela Maria Freitas Ferreira. A finalidade do curso foi conceituar e apresentar intervenções para o desenvolvimento de habilidades para vida, ou também chamadas habilidades socioemocionais, possibilitando que os jovens estejam mais preparados para lidar com os desafios da vida cotidiana.

Simpósio Parental

O Simpósio Parental também aconteceu entre os dias 18 e 20 de outubro, com três apresentações por dia. O evento teve como público-alvo educadores, familiares e profissionais de saúde mental e tratou de temas importantes no contexto da infância e adolescência, como educação consciente, comunicação não violenta, recursos práticos para uma parentalidade consciente, regulação emocional e comunicação/interação por meio da arte.

Uma das apresentações realizadas foi a “Conhecendo-se para educar”, da Profª. Esp. Cristiane Rayes. Na exposição, foi abordada a importância de os pais desenvolverem uma sensibilidade parental, conceito da Teria do Apego, definida como a “capacidade de perceber, interpretar corretamente e responder pronta e adequadamente aos sinais emitidos pela criança”. Para tanto, por meio de uma série de atividades, a professora ressaltou a necessidade de os cuidadores desenvolver habilidades, como as socioemocionais, de autoconhecimento, de autocontrole, de conexão familiar (aceitação, acolhimento e pertencimento) e de escuta.

Além disso, o médico psiquiatra e Prof. Esp. Luiz Carlos Prado realizou uma apresentação sobre os desafios que os pais enfrentam para lidar com as diferenças individuais que o filho pode ter com relação à maioria das outras crianças. O professor descreveu as reações cognitivas, emocionais e comportamentais parentais envolvida nesse processo. Como forma de exemplificar os aspectos envolvidos, foi utilizado o filme “Extraordinário” (2017), de Stephen Chbosky, que retrata a história de um menino com síndrome de Treacher Collins e das condições de crianças transgênero.

Outra apresentação que merece destaque é a realizada pela Profª. Me. Juliana Leite e pela Profª. Me. Mariana Boscardin. Elas discutiram diversos fatores que envolvem a alienação parental, como por exemplo, efeitos da judicialização, impactos psicológicos, disputas de guarda, aspectos da política brasileira de proteção da criança no contexto familiar e intervenção psicológica.

O fechamento do Simpósio Parental ficou sob responsabilidade da Profª. Esp. Elaine Chagas, que abordou aspectos importantes da adolescência. Ela defendeu que, quando os pais aumentam o nível de conhecimento sobre os processos dessa fase de vida, ampliam as chances de terem uma maior conexão com seus filhos. Desse modo, a professora destacou elementos essenciais de conhecimento parental sobre a adolescência, como: seu conceito, a adolescência como um fator de risco, os estágios e dilemas da fase e as metas que os adolescentes necessitam alcançar (p. ex., formar uma identidade positiva e equilibrada).

A partir desses elementos, a Profª. Esp. Elaine Chagas propôs uma série de ações para que os cuidadores estabeleçam uma relação mais funcional, que promova melhor desenvolvimento juvenil. Entre as orientações, estão:

  • apoio frente às dúvidas e às dificuldades;
  • enviar mensagem do quão aceito o filho é;
  • ajudar o adolescente a relacionar os interesses futuros com comportamentos atuais;
  • os pais equilibrarem o uso de conscientização com o uso de autoridade;
  • reforçar os resultados positivos.

 Concriart 

O congresso foi organizado em 27 conferências, uma atividade nomeada “Onde nossa História começa”, quatro vivências, quatro debates clínicos, quatro atividades que discutiram o uso das abordagens contextuais no contexto da terapia infantojuvenil, quatro atividades que tratavam sobre avanços clínicos, quatro apresentações sobre recursos, quatro explanações abordando especificamente sobre o uso do desejo na terapia, quatro mesas redondas e dois talkshows.

Aqui, vamos destacar algumas conferências realizadas por profissionais renomados que compartilharam dados científicos recentes e relevantes a fim de proporcionar informações de qualidade sobre as mais variadas áreas de atuação. Entre as conferencistas estavam o presidente do CONCRIART, Prof. Me. Renato Caminha, que realizou a abertura do evento ao abordar a regulação emocional infantil e apresentar seu próximo lançamento, o “Baralho Tríade da Regulação”. Além disso, o Prof. Dr. Paulo Knapp, alinhado com a nova abordagem denominada de Recovery-Oriented Cognitive Therapy (CT-R) por Aaron T. Beck, realizou uma conferência intitulada de “Na esquina de uma nova época” em que tratou sobre os novos direcionamentos da Terapia Cognitivo-comportamental (TCC), especificamente apresentando conteúdos referentes à saúde mental individual coletiva e as crenças individuais e as coletivas. Outra conferência imperdível foi a realizada pelo Prof. Dr. Eduardo Bunge e o Prof. Dr. Guido Entenberg que explanaram acerca das tecnologias de intervenção comportamental para pais com filhos com comportamento disruptivo e apresentaram o desenvolvimento e a aplicação de um programa de orientação de pais com o uso de inteligência artificial.

Outro conferencista internacional foi o renomado Prof. Dr. Paul Stallard, que realizou uma exposição sobre o uso da TCC Computadorizada e dos aplicativos para o tratamento de transtornos ansiosos e depressivos em crianças. O professor indicou que, entre outras vantagens, esse tipo de formato de terapia é promissor por facilitar o acesso da população infantil ao tratamento, já que os estabelecimentos de saúde mental têm um limite na capacidade em prestar serviços.

Ademais, o Dr. Paul Stallard relatou orientações de como utilizar os aplicativos na terapia, por exemplo.  Em consonância com novos direcionamentos das Terapias Cognitivas, a conferência que tratou sobre uma das abordagens contextuais foi a apresentada pelo atual presidente da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas, o Prof. Dr. Wilson Vieira Melo, que discorreu sobre estratégias de intervenção com base na Terapia Comportamental Dialética para casos de pacientes adolescentes que sofrem de intensa desregulação emocional e que manifestam ou apresentam risco para ocorrência de comportamentos suicidas.

Consolidação

Diante do exposto, verifica-se que o CONCRIART se consolida como o maior congresso da América Latina no campo da Terapia Cognitiva da Infância e Adolescência. Além de trazer renomados profissionais internacionais, ele inclui palestrantes nacionais que apresentam dados de pesquisas recentes produzidas no país, além de profissionais que compartilham uma rica prática no atendimento das demandas do universo infanto-juvenil. Adicionalmente, o evento apresenta novos rumos e tendências da área e demonstra que está sempre sintonizado com o que há de mais atual no campo da Terapia Cognitiva, contemplando não somente os profissionais, mas também educadores e cuidadores de crianças e adolescentes, o que revela ser um cuidado com o futuro do nosso país. Torceremos para que a próxima edição seja realmente presencial! A previsão é que ocorra na cidade do Rio de Janeiro. Você está preparado(a)?

Autor:
Nilton Correia

Psicólogo. Doutorando e Mestre em Psicologia pela UFBA. Especialista em Saúde Mental pela UNEB. Terapeuta Cognitivo-comportamental.

Referências:

Chbosky, Stephen (2017). Extraordinário [Filme]. Lionsgate Entertainment Corporation.

Rodrigues, Miriam (2021). Meu diário de bem-estar. Novo Hamburgo: Sinopsys Editora.

Editoria de Psicologia
Matéria por

Editoria de Psicologia

Editora-chefe: Carmem Beatriz Neufeld. Psicóloga. Livre docente em TCC pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto - USP. Pós-Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutora e Mestra em Psicologia pela PUCRS. Fundadora e Coordenadora do Laboratório de Pesquisa e Intervenção Cognitivo-Comportamental – LaPICC-USP. Professora Associada do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – USP. Presidente da Federação Latino Americana de Psicoterapias Cognitivas e Comportamentais - ALAPCCO (2019-2022). Presidente-fundadora da Associação de Ensino e Supervisão Baseados em Evidências - AESBE (2020-2023). Bolsista Produtividade do CNPq.

Deixe uma resposta

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550