Anestesiologia odontológica: entenda o papel da medicina hospitalar em cirurgias

  • junho/2021
  • 193 visualizações
  • Nenhum comentário

Mais do que regulamentar a Medicina, o Ato Médico é um conjunto de atribuições e responsabilidades éticas. A normativa delimita quais práticas são de competência médica e resguarda os direitos e deveres profissionais. Nesse cenário, a anestesiologia odontológica chama atenção como um procedimento recorrente na rotina dos clínicos que atuam em ambiente hospitalar.

A Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) prevê que “todo médico, regularmente inscrito junto ao Conselho Federal de Medicina, está apto ao exercício da profissão em quaisquer de seus ramos ou especialidades, independentemente de especialização”. Logo, ainda que o título de especialista em anestesiologia seja uma qualificação importante, ele não impõe exclusividade na realização de anestesia.

Cirurgia odontológica em ambiente hospitalar

A odontologia é uma área em constante evolução. Isso inclui a anestesiologia. Além da dor causada pelo problema odontológico em questão, a aplicação da anestesia também provoca sensibilidade (e, eventualmente, aversão) a muitos pacientes, podendo comprometer o tratamento e o prognóstico.

Sem as anestesias locais, procedimentos como tratamento de canal seriam inviáveis. Para que seja indolor, a aplicação do anestésico depende da experiência do dentista, do volume e da velocidade de pressão. As anestesias aplicadas com agulhas ainda são as mais comuns e acessíveis.

Ainda que em alguns casos dispositivos com sistemas automáticos de aplicação auxiliem no processo, novos sistemas vibratórios e a jato têm se revelado promissores na administração anestésica – especialmente em crianças e indivíduos com ansiedade ou fobia de agulhas.

Como nem sempre é possível resolver problemas bucais no consultório odontológico, muitos pacientes são submetidos a cuidados multidisciplinares em hospitais. É o caso das intervenções voltadas à traumatologia buco-maxilo-facial. A especialidade atua em traumas ou patologias que atingem a face, a exemplo de câncer de boca e acidentes.

Papel do médico anestesiologista em cirurgia odontológica 

Em algumas cirurgias odontológicas, cabe ao médico realizar a aplicação da anestesia geral. A resolução nº 1.536/1998 do Conselho Federal de Medicina (CFM) determina que o anestesiologista deve atender às solicitações para a realização da anestesia geral em pacientes a serem submetidos a cirurgia por cirurgiões-dentistas apenas quando realizadas em ambiente hospitalar.

A medida pressupõe a existência de um diretor técnico médico que possa ser acionado durante o procedimento cirúrgico. Em intercorrências em que não é possível o acionamento do responsável técnico, cabe ao médico anestesiologista prestar socorro ao paciente.

Conforme previsão da SBA, caso o paciente submetido à cirurgia venha a óbito e o anestesiologista seja o único médico presente, caberá a ele fornecer o Atestado de Óbito, nos termos da Resolução CFM nº 1.779/2005”.

Quer mais conteúdos da sua área? Conheça o Programa de Atualização em Anestesiologia, desenvolvido em parceria com a Sociedade Brasileira de Anestesiologia.

Redação Secad
Matéria por

Redação Secad

O melhor conteúdo sobre a sua especialidade.

Deixe uma resposta

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550