Quando a pornografia se torna um problema na perspectiva da saúde mental?

  • julho/2021
  • 262 visualizações
  • Nenhum comentário

In: PROPSIQ C10V4

Autores deste capítulo:

Manoel Antônio dos Santos
Rogério Adriano Bosso
Alessandra Diehl

DOI: https://doi.org/10.5935/978-65-5848-250-5.C0004

Resumo

Objetivos: Este capítulo tem por objetivo contextualizar a evidência científica disponível na atualidade sobre a pornografia, considerando a dinâmica de prós e contras para a saúde pública e suas implicações para os indivíduos que a consomem, buscando delinear um panorama que contribua para futuros estudos sobre o uso problemático de pornografia ou comportamento aditivo. Métodos: Os autores realizaram uma revisão narrativa da literatura que buscou sistematizar relatos de pesquisa. Os resultados mostraram expressivo aumento de estudos dedicados à temática desde a década de 1970, em especial um avanço do interesse científico com o advento da internet e a propagação e diversificação de conteúdos pornográficos em mídias e plataformas digitais. As tecnologias de informação e comunicação instauraram uma profunda transformação do sistema de produção, distribuição e consumo de material pornográfico, inclusive com consequências preocupantes com a possibilidade de acesso por parte do público adolescente e infantil. Resultados: A evidência científica disponível a respeito da pornografia ainda é insuficiente para apontar de forma segura uma definição consensual quanto à existência de um possível transtorno mental relacionado à dependência de pornografia, uma vez que restam controvérsias conceituais e pesquisadores que defendem ideias discordantes. Existe um forte apelo no meio científico para a realização de mais pesquisas na área, com enfoques teórico-metodológicos que espelhem a heterogeneidade de saberes envolvidos no campo, na tentativa de compreender a interferência do fenômeno da pornografia nos diferentes contextos da chamada sociedade digitalizada. Conclusão: A despeito do incremento do conhecimento observado nas últimas décadas, os estudos não são conclusivos e, portanto, não há evidência empírica suficiente que permita afirmar a existência de uma entidade nosológica autônoma (transtorno mental) em pessoas que fazem uso excessivo de pornografia. Estudos sugerem que indivíduos do sexo masculino são mais suscetíveis a buscarem apoio profissional por questões relacionadas à dependência do sexo. Como o consumo regular de pornografia frequentemente aparece associado à dependência de sexo, é possível que ela atue como fator potencializador dos prejuízos no processo adaptativo do indivíduo acometido.

Palavras-chave

Pornografia; Tratamento; Dependência; Saúde mental; Riscos.

Degustação do capítulo

Não perca! Preencha o formulário e baixe uma degustação do capítulo:

Aquisição do capítulo

Para você ter acesso a esse e mais capítulos de psiquiatria, conheça o Secad

Detalhes deste capítulo:

Título Quando a pornografia se torna um problema na perspectiva da saúde mental?
Autores Santos, Manoel Antônio dos; Bosso, Rogério Adriano; Diehl, Alessandra
Assunto/Palavras-chave pornografia; tratamento; dependência; saúde mental; riscos
DOI 10.5935/978-65-5848-250-5.C0004
Editora Artmed Panamericana
Ano de publicação 2021
Páginas 149-176
Secad Editorial

Secad Editorial

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550