Versão 3.0 do MDF-e: atualizações agilizam a contabilidade

  • novembro/2017
  • 2226 visualizações
  • Nenhum comentário
MDF-e

Disponível na versão 3.0, o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) chegou para facilitar a transmissão de informações. A atualização, que é obrigatória desde outubro, eliminou de vez a emissão em papel. Com as mudanças, devem constar os registros de transporte e operação da empresa, além de informações de rota, data, hora e seguro em um único envio – o que possibilita ao Fisco o acompanhamento das operações em tempo real.

O envio dos documentos digitais não tem encargos, já que cada um teve incidência de impostos em sua geração. No entanto, caso a empresa esqueça de registrar qualquer dado exigido, ela poderá receber uma penalidade que varia entre multa e apreensão do veículo transportador. Aqui está uma das principais novidades do documento: a obrigatoriedade de transmissão do MDF-e inclui, além do transporte rodoviário, as modalidades aeroviária, aquaviária e ferroviária.

A inclusão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) visa a reconhecer a situação fiscal do transportador de maneira ágil. Para estar apta às transmissões pelo MDF-e é obrigatória a manutenção de cadastro atualizado junto à Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) do estado em que a empresa opera. Além disso, para ter a assinatura digital, a companhia não pode ter pendências na inscrição estadual. E as exigências não param por aí: o contador deverá sempre informar a situação tributária da empresa, como alíquotas de ICMS, PIS, Cofins e ISS, que variam de acordo com o estado de destino dos produtos.

Rapidez no processo e economia de custo

O MDF-e não apenas reduz a quantidade de impressões, mas agiliza as emissões e o direcionamento de cada documento, além de poupar o tempo das tradicionais paradas em postos fiscais. Uma consequência direta disso tudo é a economia de custos, refletida também na dispensa da necessidade de espaço físico para arquivamento – o que ainda facilita a busca por registros a qualquer hora.

O investimento em softwares seguros é compensado com a redução da vulnerabilidade fiscal. Os programas auxiliam no controle das emissões, prazos e relatórios; e notificam por e-mail quanto às operações. Agora, além de entender tudo sobre leis e alíquotas, os contadores precisam estar aptos a trabalhar com novas tecnologias. E não se trata apenas de manter informações atualizadas, mas de processá-las de maneira integrada a cada sistema a fim de evitar falhas.

Redação Secad
Matéria por

Redação Secad

O melhor conteúdo sobre a sua especialidade.

Deixe uma resposta

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550